Quinta-feira, 31 de Março de 2005

O que ando a reflectir...

Este "post" refere-se a um conjunto de perguntas que tenho a colocar sobre os Gabinetes de Arqueologia, mas para as quais ainda não consegui uma resposta satisfatória. Que tipo de integração, numa estrutura camarária, deve ter um Gabinete de Arqueologia. Deve integrar-se na área cultural ou de planeamento? No caso de não dever integrar-se especificamente em nenhuma destas áreas, que tipo de relação deve mantêr com ambas? Terá vantagem a sua integração numa estrutura museológica existente? Ou deverá mantêr-se no mesmo nível que o museu, mantendo uma relação estreita. A filosofia primordial de um Gabinete de Arqueologia deverá ser a prevenção ou a investigação? Será que através da investigação se consegue a prevenção? Ou pela prevenção se chega à investigação? Neste momento, afigura-se-me que todas as respostas possíveis são válidas, situando-me na encruzilhada... que caminho escolher? Não seria altura de se organizar um evento de reflexão acerca das diversas experiências já existentes?
por A. R. às 04:22
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Conheça o novo Caco

. Conferências de Arqueolog...

. Natal do Livro no MNA

. Percepção...

. Lançamento de livro

. Prospecção...

. PRACE

. Graça Morais na Fundação ...

. No Mosteiro de S. Martinh...

. Skull Illusions #001

.arquivos

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds